domingo, 22 de maio de 2016

A maioria não (22 de maio de 1983)

Deus fez o mundo em seis dias. No sétimo, descansou, após concluída a grande tarefa.

Hoje é domingo, dia de descanso. Para a maioria. Há os que não descansam, que estão no batente, por questões obvias e atinentes de deveres próprios.

A maioria, não. A maioria não agarra hoje. Não trampa, como dizem os giriomaniacos.

Mas há uma outra maioria. Essa, a que consegue descansar de segunda a domingo, de janeiro a dezembro, ininterruptamente. Esse só engana que trabalha. E que, indiscutivelmente, vive melhor, bem melhor, do que os que trabalham no duro, de sol a sol, de segunda a domingo, de janeiro a dezembro.

Como é dia descanso, coluna descansa do rotineiro, de sua linha habitual, de sua conduta normal.

Nada de citar-se as altas de preços, as elevações do custo da gasolina. Nada de comentar as teorias do Ministro Delfim Neto, sua numerologia equacional, aquela que sem solução equacionatória para o zé povinho.

Zé povinho vai assistir futebol hoje. Santos e Mengo, dois dos bons de bola. Escriba, firme na paçoca, torcendo para o Peixe, mesmo porque não sintoniza bem com a máscara da gente da cariocolandia.

Certo Zico é bom. Mas Serginho é melhor. Mengo é time grande, mas Santos é time igualmente grande e igualmente importante.

São onze a onze, no Morumbizão.

Hoje é domingo, dia de descanso. Deus fez o mundo e descansou. Será que o Criador teria conjecturado de que o mundo, depois de 1983 anos do nascimento de Cristo, iria ser assim?

Que o Governo líbio iria exigir do Governo brasileiro o retorno de armas nos aviões que invadiram o território tupiniquim, pura e simplesmente como se fôra um Napoleão do passado ou um Hitler contemporâneo?

Teria conjecturado o Criador que nesta época de cerca de dois milênios do nascimento de Jesus, haveriam Delfins, Cals, Andreazzas, Shigeakis, Pennas, Stábiles e outros bichinhos que tais?

Hoje é domingo, dia de descanso. Porisso, coluna descansa também e não vai se preocupar com nada de nadinha. Nem com os 130% de aumento nas mensalidades das casas populares. Bóta popularidade nisso.

Nem siquer coluna vai abordar o infamante assunto e a benevolência medida, que concedeu aos aposentados parlamentares um aumentozinho de 1.113% em seus vencimentos polpudos, gratificantes, bojudos e generosamente legais.

Nada se contenta, nada se fomenta, nada se enfoca. Mesmo porque todos esses desmandos decorrem de providencia ou medida parlamentar. O que é sem sombra de duvida para lamentar!

Deus criou o mundo em seis dias, descansou no sétimo. É a história. Sacra história. Bíblica história. Evangélica história.

Os norte-americanos pintam as caras dos índios com barro. Adão foi feito de barro, para os pessepistas, que ainda estão aí, nada A de mar de Barros. Também é história. E estória.

Adão feito de barro. Eva manufaturada de uma costela de Adão. Eva, a única criatura sem umbigo. Ela não teve qualquer ligação via cordão umbilical.

Hoje é domingo. Dia de descanso. Nada se fale sobre os problemas brasileiros. Mesmo porque são muitos. Mesmo porque eles, os problemas, se resolvem com cifras, números e teorias. Não faz o jogo do escriba. Nem dos brasileiros em geral.

Para isso dispomos do Delfim. De mau fim.

Então, fim.

Extraído do Correio de Marília de 22 de maio de 1983

Nenhum comentário: