quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Coquetel de Notícias (18 de setembro de 1974)


Gente já principiando a habituar-se com as modificações do trânsito urbano local. Essa transformação poderá ainda sofrer outras, de acordo com observações que venham a ser feitas e constatação de necessidade para a melhoria total.

O que é certo é que a inovação de há muito vinha urgindo. Cidades como Ourinhos, Tupã, Sorocaba, Campinas, Rio Preto, Ribeirão Preto e outras, tem um trânsito regulado, sinalizado, racionalizado e funcional.

Marília, como uma das cidades que apresenta um índice verdadeiramente gigantesco de veículos motorizados – autêntico recorde em medida comparativa à sua densidade demográfica – não poderia, de forma alguma, continuar com aquele trânsito desordenado e confuso que apresentava até há pouco.

--:--

Marília Atlético Clube, lavrando um tento louvável, ao vencer a lusa santista, nos domínios desta.

Há quem tente deslustrar essa vitória, sob a alegação de que o clube praiano está muito mal das pernas, pior mesmo do que o elenco mariliense.

Isso não vem ao caso.

Uma vitória, apertada ou não, contra time fraco ou forte, é sempre uma vitória e não tem diferença de sabor – especialmente valendo dois pontinhos em termos de certame oficializado.

--:--

Excelente o comportamento da Câmara Municipal na noite de 2ª.-feira última. Bom senso, comedimento, discussão parlamentar à altura, caracterizou a referida reunião extraordinária.

Nota dez.

--:--

Muito bacana o trecho da rodovia que liga Marília a Panorama, no percurso entre Pompéia e Quintana, recem construído e acrescido de mais duas faixas adicionais.

Propõem-se agora o Departamento de Estradas e Rodagens a reconstruir o trecho entre Marília e Pompéia, da mesma rodovia.

Oxalá, nesse percurso, venham a ser executados idênticos serviços aos do trecho Pompéia-Quintana – ao envés de um simples recapeamento.

--:--

Determinado cidadão, palestrando com o jornalista, sugeriu que a Câmara e Prefeitura estudem a viabilidade de transformar a Represa Cascata, num aprazível logradouro público, com o plantio de árvores margeando o volume d’água e fazendo alí a construção de um clube náutico.

Justificou que com a adutora do Rio do Peixe e com a nova estação de tratamento, além da Vila Miranda, aquele próprio poderia ter um outro aproveitamento, que, em termos de logradouros campestres, mas viria a enriquecer o patrimônio citadino, somando-se ao Country, Marambaia, Clube dos Bancários, Yara Clube, Bosque Municipal, etc.

Ai fica o registro.

--:--

Marília ressente-se da construção de maior número de abrigos para ônibus.

O sol e as chuvas, mesmo o vento, tem ocasionado transtornos e dificuldades aos marilienses usuários da circular.

Cidades de menor expressão representativa do que a nossa são completas nesse sentido.

Ai está mais um assunto para poder merecer as atenções dos poderes públicos marilienses.


Extraído do Correio de Marília de 18 de setembro de 1974

Nenhum comentário: