sexta-feira, 3 de maio de 2013

Candidato, ainda (03 de maio de 1974)



Há um trinômio, que se pode comparar a um conjunto étnico, a justificar o ról imenso de escritos que tenho publicado, sobre a urgência inevitável de Marília eleger um seu representante legítimo à Assembléia Legislativa.

De um lado, a fé de ofício, de outro o idealismo jornalístico, e, de outro ainda, o amor por Marília.

--:--

Esse proceder já gerou-me o manifesto direto e indireto de duas correntes: uma pró e outra contra.

Não o “pró” e o “contra” em termos frontais e objetivos, diga-se. O referido “pró” é representado por aqueles que me procuram para incentivar-me e estimular-me para prosseguir nessa contenda, na convicção de que a prestação de servição de que a prestação de serviços a respeito tem seu lado bom, seu lado útil, seu lado bem intencionado. O “contra”, neste caso, é representado por outros leitores e amigos, que confirmam-me estar eu perdendo tempo, sem nada lucrar com isso, concluindo por aconselhar o “deixa disso”, porque nada de positivo vai resultar.

--:--

Sou grato às duas facções opinativas.

Mas prossigo, como venho fazendo, nesse campo político, desde 1947.

--:--

Contradigo ainda os que pensam ou afirmam de que Marília não tem elementos próprios capazes de bem se desincumbirem de uma função legislativa estadual.

Temos muitos, embora nem todos tenham, por parte do colegiado eleitoral da cidade, uma penetração mais profunda.

--:--

Já fiz referências à mais de uma dezena de nomes marilienses dignos e capazes, embora alguns não tenham aquilo que se poderia classificar com o rótulo de “popularidade eleitoral”.

Sempre citei homens sérios, marilienses autênticos, de ilibada personalidade, mesmo que alguns deles não sejam do gosto das hostes diretivas da política municipal. Mas citei nomes de peso e de valor.

E continuarei citando, em lembrança colaborativa, à guisa de subsídios.

--:--

Nada lucro, mas também nada perco com isso. Antes, desobrigo-me conscientemente de função especifica, jornalisticamente falando.

--:--

Há outro nome que póde servir de observação e análise para a Arena: Kalil Haddad.

O presidente da Associação Comercial de Marília vem realizando uma administração e um comando dinâmico e operoso na referida entidade. É moço, idealista, trabalhador e não é político.

Teria a simpatia da classe comerciante e comerciária de Marília. Poderia ser sondado, convidado.

Dos muitos nomes aventados, poderia entre as próprias hotes políticas, surgir um futuro candidato arenista mariliense, para disputar uma poltrona vermelha do Palácio 9 de Julho.

--:--

Gente capaz em Marília há.

Parece o que não há é uma unificação de intentos, uma coesão de pensamentos, um interesse mais urgente e mais objetivo no caso.

Isso, sim.

Extraído do Correio de Marília de 03 de maio de 1974

Nenhum comentário: