terça-feira, 23 de abril de 2013

Problemas Mirins (23 de abril de 1974)



O homem, quer pelo seu raciocínio natural ou pelo bom senso ou quer pelas experiências decorrentes das necessidades do mundo hodierno, que nada a repetição continua dos atos de nossos avós, preocupa-se sempre com os seus problemas – os grandes problemas.

Quase seguidamente relega à plano de somenos importância os problemas pequenos, os problemas mirins.

--:--

No entanto, a existência humana é de igual módo ocupada tanto pelos grandes problemas, como pelos problemas mirins, embora estes, aparentemente, não sejam dignos de uma grande preocupação. Muitas pessoas são de opinião de que as preocupações encurtam a vida e só se aborrecem quando assuntos de grande responsabilidade prende-lhes as atenções. É um erro tal proceder.

Esses pequenos problemas são pequenas coisas que giram em torno do homem, assim como os satélites em volta do sol. E nem sempre o homem procura aperceber-se de tal.

--:--

Pequenas coisinhas, originárias das próprias atividades cotidianas, vão formando aquele conjunto étnico do gosto doce ou amargo de uma existência. Como um bazar de quinquilharias, as miudezas de desventuras, fracassos, felicidades, amores, desgostos, etc., vão se acumulando, fazendo crescer o estoque, que, devidamente contrabalançando, vem apresentar, não os problemas mirins, mas sim os grandes problemas de cada indivíduo de nossos dias.

--:--

Então, urge a necessidade sensata, de transformar-se os problemas mirins em êxito. Mas isso não é lá muito fácil. É realmente difícil contornar-los;  a não ser que exista uma dose de fé e otimismo, de força de vontade, e, às vezes, até de resignação, esses problemas mirins irão aumentar o armazenamento das quinquilharias já acondicionadas.

Para a solvição imediata para evitar-se que venham, logo mais, a tornarem-se adultos, a constituirem-se em grandes problemas, é mister solvê-los logo. Então é o caso de contradizer o mode de pensar de muitos, quando afirmam que “as preocupações encurtam a vida”.

--:--

Isso, no entanto, só será possível com o esforço e a boa vontade, da sensatês e de átos comedidos. Senão, nada feito.

--:--

Então, os homens que se preocuparem com esses pequenos problemas, esses problemas mirins, se tiverem forças suficiente para contorná-los, para resolvê-los sábia e eficientemente, por certo desfrutarão de uma existência melhor, e, a despeito do paradoxo das necessárias preocupações que tais problemas lhe advirão, viverão mais sossegados e mais felizes.

--:--

PS – Este artigo foi publicado nesta mesma secção, neste mesmo jornal no dia 8 de abril de 1954, tiragem número 6.854, numa quinta-feira.

Tem vinte anos, portanto, esta publicação.

Sua reprodução calha-se com as atitudes de algumas pessoas locais e daí a razão de sua lembrança.

Extraído do Correio de Marília de 23 de abril de 1974

Nenhum comentário: