segunda-feira, 18 de março de 2013

Mudando de conversa… (18 de março de 1977)



Sim, mudando de conversa, esta é a piada.

Madalena era mineira de Montes Claros, mas residia no Estado de São Paulo desde a infância.

O marido, que havia falecido há mais de 20 anos, fôra Coronel da Guarda Nacional e lhe havia deixado como herança três grandes fazendas formadas, alguns milhares de terras em Mato Grosso, além de outras propriedades, apartamentos em São Paulo, Guarujá e Rio de Janeiro e muito dinheiro vivo.

--:--

Madalena tinha dois filhos. Melhor dizendo, um casal. Marcos, que casara-se com uma moça muito rica no Rio de Janeiro, que instalara uma butique moderna e sofisticada no Lido e que recebia uma polpuda renda de uma das fazendas da mãe. E Marcia, que casara com um boêmio metido a intelectual, que trabalhava pouco e absorvia a renda total de outra das fazendas de Madalena.

Com o passar do tempo, Madalena habitou-se ao estado de viuvez. Os rendimentos aumentavam as propriedades valorizavam-se.

E foi aí que uma amiga de chá e de fuxicos, a Esmeralda, que era farmacêutica aposentada aconselhou:

- Madalena, com tanto dinheiro que você tem, por que não passeia, por que não conhece o mundo? A vida é curta, seus filhos estão bem… por que você não desfruta essa fabulosa fortuna enquanto é viva?

--:--

Foi o que bastou. Dois dias depois, Madalena decidiu. E, através, de um transsatlântico grego, empreendeu uma viagem em volta do mundo.

A viagem durou quatro meses.

Madalena gostou e acostumou-se a viajar.

--:--

Quase não para mais em casa. Chega dos Estados Unidos, vai para a Espanha. Regressa da Espanha, vai para o Chile. E assim por diante.

E tem sorte. Quanto mais gasta viajando, mais renda lhe dão as propriedades.

--:--

Mas Madalena acabou ficando doente.

Consultou o médico da família. Este prescreveu alguns remédios e nenhum resultado se apresentou.

Madalena foi para São Paulo, consultou os melhores especialistas. Nada. Foi para o Rio, idem. Viajou para a Inglaterra e para os Estados Unidos e nada de melhorar.

Então começou o desespero, com o medo da morte. E, como refúgio, Madalena passou a apergar-se as orações. E prometeu, entao, a Santa Terezinha: se sarasse, não mais viajaria confortavelmente como rica; viajaria nas condições mais precárias possíveis, como fazem os pobres mais pobres.

Santa Terezinha ouviu a prece, ficou com dó de Madalena e a viúva acabou sarando.

--:--

Chegou o momento de cumprir a promessa.

Madalena propor-se a viajar. Tomou um trem da Fepasa, comprando passagem de segunda classe, porque não havia de terceira. Ela estranhou, mais ainda, porque a composição estava transportando muitos nordestinos, que de muitos dias empreendiam viagem. Sujos, com cheiro forte de suor e de chulé. As crianças com outros cheiros.

Mas ela não se importou. Estava feliz e cumprindo a promessa.

--:--

Vizinha dela viajava um caboclo com duas crianças.

Madalena fingia não sentir o cheiro acre e sorria para o caboclo toda vez que o homem lhe olhava na cara. Em dado momento, uma criança pediu água. O homem desamarrou a boca de um saco sujo onde se misturavam roupas e outros objetos, de lá tirou uma canequinha feita com um lata de extrato de tomate, saiu e depois voltou com uma canequinha com água. A criança bebeu sofregamente. A outra pediu água também. O homem retirou-se e depois voltou com a canequinha com água. A criança bebeu. Madalena olhava. O homem, querendo ser gentil, perguntou se Madalena queria água. Ela achou que conviria beber, participar da vida daquela gente. Aceitou. O homem saiu, voltando com a água. Madalena bebeu e gostou. O homem indagou se queria mais. A viúva falou que sim. O homem voltou a sair.

Demorou para voltar.

Quando retornou, trazia a canequinha vazia e desculpou-se com Madalena:

- A sinhóra discurpe, mais num deu prá pegá mais água não… tem uma muié sentada in riba du pôço…

Extraído do Correio de Marília de 18 de março de 1977

Nenhum comentário: