sexta-feira, 14 de setembro de 2012

O negócio é assim mesmo (14 de setembro de 1973)



Bar do Ascelino, ali na Avenida.

Gente tomando seu cafezinho e batendo papo, numa parte do balcão.

Na outra parte, gente outra, tomando seus aperitivos.

Cervejas, “caipirinhas” e caninhas, nos cópos, à disposição dos fregueses que solicitaram.

Enquanto um freguês acende seu cigarro, uma mão atrevida surgiu por traz do mesmo, agarrou sorrateiramente o copo de pinga, bebeu-o de um só trago e saiu imediatamente.

Quase não deu tempo do “dono” perceber.

Era outro desses ditos “mendigos”.

--:--

Defronte a Brasseria:

Muita gente parada, transitando, entrando e saindo do estabelecimento.

Duas pessoas encontram-se ali. E param, conversando, após o cumprimento.

Uma delas, meteu a mão no bolso, sacando uma carteira de cigarros. Na mesma hora, surgiu uma mão atrevida, agarrou inesperada e surpreendentemente um cigarro do maço, dependurou-o entre os lábios e saiu tranquilamente, deixando boquiaberto o cidadão.

Era outro desses ditos “mendigos”.

--:--

Restaurante Gologna, também na Avenida.

Uma só porta de entrada e um biombo, vedando a vista do interior do estabelecimento aos que estão fora e impedindo os que estão dentro, de ver o movimento na rua.

Fregueses e familiares almoçando.

Entre um cara, forte, sem apresentar qualquer defeito físico.

Faz que vai em direção ao balcão, nos fundos do estabelecimento. Mas ao passar junto à mesa, agarrou rapidamente um copo de cerveja que o freguês havia pedido, emborcou-o na garganta adentro e saiu imediatamente.

Outro dos considerados “mendigos”.

--:--

Uma residência:

Um moreno forte, duns trinta anos, abriu o portão de entrada, ganhou e ultrapassou a área, empurrou a porta de frente que estava entreaberta, assustando os moradores.

O dono da casa foi ao encontro e já alertado pela onda dessas invasões atrevidas, disse que nada tinha para dar e pediu que o mesmo se retirasse.

O cara não arredava o pé, insistindo e ameaçando entrar no domicilio.

O homem correu no quarto, apanhou um revolver e intimidou o malando a sair, sob a alegação de que telefonaria à polícia. O “mendigo” dispôs-se a enfrentar o homem e este viu-se obrigado a dar-lhe um safanão e sob a ameaça da arma, conseguiu escorraça-lo.

O cara saiu xingando e ameaçando e proferindo os mais “cabeludos” palavrões.

Outro “mendigo”, também.

--:--

Outra residência. Na Vila Fragata. De familiares de um sargento da Polícia Militar.

A dona da casa, havendo negado dinheiro ao “mendigo”, precisou fechar a porta, ouvindo as mais abomináveis barbaridades e palavrões do atrevido, que permaneceu ali por muitos minutos, ameaçando arrombar a porta e atemorizando toda a vizinhança.

Mais outro “mendigo”.

--:--

Num bar:

O cara chegou e pediu dinheiro, alegando que estava com fome. Um cidadão pediu à garçonete, que fizesse um sanduiche reforçado. Foi feito. O cidadão entregou-o ao pedinte, para que comesse, conjurando a fome.

O cara olhou bem para o sanduiche (presunto e queijo), dizendo:

Eu num vô comê essa porcaria.

E com o rastelar da mão sobre o balcão, atirou o alimento no chão, saindo em seguida, dizendo os mais pornográficos palavrões.

Outro, desses que estão condoidamente chamado de “mendigos”.

Extraído do Correio de Marília de 14 de setembro de 1973

Nenhum comentário: