terça-feira, 13 de setembro de 2011

Frases soltas (12 de setembro de 1959)

Na lagôa de águas plácidas e estagnadas, o homem paciente pescava ilusões.

--:-:--

Só para separar as orelhas é que aquele indivíduo usava a cabeça!

--:-:--

Éra um filme tão ruim, mas tão ruim, que até os artistas o interpretavam com indisfarçável descontentamento.

--:-:--

Abriu o livro de histórias e encontrou-se na Grécia antiga.

--:-:--

Os govêrnos são como os jequetibás sagrados, em cujas sombras sempre medram diversos cogumelos venenosos.

--:-:--

Doença abjeta domina aquele homem: repleto de defeitos, só sabe ver as deficiências alheias.

--:-:--

Ao colocar a carta no correio a mocinha expediu o próprio coração.

--:-:--

Ele não professava a filosofia; éra apenas um ferrenho oposicionista à realidade!

--:-:--

Erro de origem: Não basta saber tão somente assinar o nome para saber votar.

--:-:--

Num protesto mudo, porém justo, o dócil cavalo atirou por terra aqueles impertinentes cem quilos de gordura, que atendem pelo nome de Maria.

--:-:--

Depois do terceiro chopp o cidadão conseguiu encontrar-se com a sua bi-personalidade.

--:-:--

Um grande vácuo habitava permanentemente a carteira daquele pobre chefe de família.

--:-:--

É um homem de cabeça tão vazia, que mais parece um pneu sem câmara.

--:-:--

Da gaiola, o canário solitário entoava as notas que faltavam ao piano da casa visinha.

--:-:--

Cada vez que aquela moça usava um vestido novo, parecia ficar ainda mais velha.

--:-:--

Ao passar o pente na cabeça, o homem se desfez de todos os maus pensamentos.

--:-:--

Um relógio caríssimo e completou em tudo, com o único defeito de não marcar a hora da morte.

--:-:--

Éra um técnico de futebol igual a muitos professores de matemática: teoria, muita; prática, nenhuma.

--:-:--

Como brilhantes sôbre um fundo de veludo negro, as gotas de suor se manifestavam sôbre a pele daquele preto velho.

--:-:--

Não éra um político, mas em compensação sabia prometer muito bem.

--:-:--

U’a mulher muito bondosa, inteiramente esculpida em gordura.

--:-:--

Ele fazia muitas vezes o papel de borracha: apagava os erros dos outros.

--:-:--

Aqueles sapatos viviam sempre cansados: o dono pesava cento e vinte quilos.

Extraído do Correio de Marília de 12 de setembro de 1959

Nenhum comentário: