sábado, 16 de julho de 2011

Dia do Comerciante (16 de julho de 1959)


Assinala-se hoje, 16 de julho, o Dia do Comerciante.

Coincide a data com a passagem do 208º aniversário de nascimento de José Maria da Silva Lisboa, posteriormente o Conde de Cairú, pessoa que pode ser chamada e considerada como o Pai do Comercio brasileiro.

Importante, sob todos os pontos de vista, foi a ação do Visconde de Cairú, para o desenvolvimento econômico-comercial brasileiro.

No ocaso do século passado, em 1808, encontrava-se em efervescência político-beligerante, toda a Europa. Napoleão Bonaparte acabara de decretar o chamado na ocasião “bloqueio continental”, objetivando o asfixiamento de sua inimiga fidagal, a Inglaterra. Portugal éra na ocasião, um dos maiores aliados dos ingleses, tendo-se esforçado por desbaratar o bloqueio referido. Ante isso, Napoleão enfurecido, ordenou ao general Junot, que invadisse o pequeno país. D. João, a personalidade mais visada dessa operação invasôra, teve que abandonar Portugal, refugiando-se no Brasil, onde veio juntar-se aos seus familiares.

No impedimento de D. Maria I, ocupou D. João as funções de Regente do Império. Personalidades brasileiras, acercaram-se de D. João, dizendo-lhe sentir as necessidades de maior desenvolvimento das atividades comercial da Colônia.

As personalidades que instaram D. João assim proceder foram os primeiros comerciantes do final do século XIX. Levaram de viva voz ao Regente do Império, a convicção de que o desenvolvimento do comércio brasileiro dependia de transações com outras nações e com outros povos. Representava o abrir as cortinas de novos palcos de progressos, dando o ensejo de trabalho em maior escala, propiciando maior desenvolvimento das atividades comerciais e colaborando para o maior enriquecimento da própria Colônia.

Um baiano ilustre e patriota, professor emérito e economista insigne, Dr. José Maria da Silva Lisboa, mais tarde o Visconde de Cairú, teve papel preponderante nessas operações de abertura dos portos brasileiros com os países amigos. Era o comércio em sua força viva, lutando por um objetivo dos mais louváveis e dignos.

A Confederação Brasileira do Comércio, numa feliz e inspirada iniciativa, houve por bem, em desejo inquestionável de perpetuar a memória do ilustre Visconde de Cairú, instituir a data de 16 de Julho como o Dia do Comerciante, por coincidir com a efeméride de nascimento do verdadeiro Pai do Comércio brasileiro, Dr. José Maria da Silva Lisboa.

Justo é portanto, que lembremos esta data, como justo é o preito de homenagem que daquí endereçamos aos comerciantes de todo o mundo, através dos comerciantes de Marília.

O comerciante, em seu labor, tem um papel importante – o de aproximar os povos, traduzindo um élo de união entre as gentes civilizadas e uma propulsão sem precedentes ao próprio progresso da humanidade.

Desde os tempos primitivos, nos conta a própria história da civilização, os comerciantes se uniram tribos ou grupos, através do comércio. Os fenícios, pelo seu talento comercial demonstrado e pelas excepcionais qualidades de navegadores, foram até denominados de os “ingleses do mundo antigo”. Dessa razão partiu a nossa iniciação no comércio.

Tanto na época presente como nos tempos pretéritos, sempre o comerciante foi um motivo inconteste de entendimento entre os povos e uma alavanca propulsôra do progresso das nações.

Visconde de Cairú, Dr. José Maria da Silva Lisboa, foi o timoneiro em nosso país, no sentido da expansão comercial brasileira. A ele, “o primeiro comercial do Brasil”, nosso reconhecimento e nosso preito de saudade, nossa gratidão pela importância de sua ação, na própria vida nacional.

Extraído do Correio de Marília de 16 de julho de 1959

Nenhum comentário: