quinta-feira, 1 de julho de 2010

“Férias” dos deputados (1º de julho de 1958)

Temos visto, seguidamente, os comentários pouco lisongeiros formulados pela imprensa paulistana, acêrca do fato de, ultimamente, o Palácio 9 de Julho viver “às moscas”, com muitas sessões ordinárias não podendo ser realizadas por falta de “quorum”.

E as mesmas notícias acrescentam que a “pasmaceira” reinante no plenário da Assembléia, com o número diminuto de parlamentares que alí compareceram religiosamente origina-se do fato de muitos deputados estarem viajando pelo interior, empenhados em trabalhos de reeleição.

Certa vez, ao comentarmos o fato de que determinado deputado paulista, com assento ao Palácio Tiradentes apresentava o contundente índice de ser o mais faltoso na Câmara Federal, recebemos missiva do mesmo, justificando as suas constantes ausências como decorrentes do tratamento de suas obrigações particulares. Óra, quem tem negócios particulares de monta e que não lhe permitem exercer com assiduidade as obrigações parlamentares, por certo melhor obraria se deixasse de candidatar-se a postos eletivos.

Entendemos que os que são eleitos pela vontade soberana do povo, têm para com este inúmeras e enormes responsabilidades e não é justo que fiquem zanzando por aí ou tratando de interesses particulares, enquanto pilhas gigantescas de processos que dizem respeito diréto ao interesse geral se avolumam ou discussões e votações em tempo hábil, pela falta de números nos parlamentares.

Evitar-se-iam, assim, duas falhas atualmente verificadas: a decepção pública e maiores despesas ao herário do Estado ou União, com os pagamentos dos vencimentos fixos (embóra sofram os mesmos os descontos respectivos e referentes aos “jetons”).

Porisso, é que sempre lutamos pela eleição de marilienses à Assembléia e Câmara Federal. Para que tenhamos o direito de exigir-lhes frequência nos parlamentares, cuidado e trabalhos em todos os sentidos e pontos onde estejam em jogo os interesses coletivos (e especialmente de Marília e região) e aos quais tenhamos a faculdade de chamar as atenções e cobrar-lhes serviços atinentes à responsabilidade de seus postos e aos compromissos e obrigações para com os eleitores locais.

Estamos percebendo que atualmente, grande maioria dos deputados estaduais estão em “férias”. Não as regulares, mas “férias” individuais (que se tornam automaticamente “quasi” coletivas) e tiradas “por conta própria”, para fins alheios aos interesses da próprias população.

Jornais de São Paulo tem, inclusive, publicado diversas fótos do plenário do Palácio 9 de Julho, durante o transcorrer das sessões, bem entendidos, em que a Casa apresenta o aspecto tão vazio de gente, como em rancho de pescador a ausência de móveis.

É bom a gente ir observando tudo isso, como igualmente é bom ir tambem anotando e acompanhando os deputados em “férias”, para concluir que muitos erros do passado ainda estão em tempo de ser corrigidos.

Extraído do Correio de Marília de 1º de julho de 1958

Nenhum comentário: